1) Colégio pode reter o meu filho no 1° ano do ensino fundamental?

Não, principalmente no Estado de São Paulo, porque há o Parecer CEE-SP n.285/2014 que em sua apreciação diz:

“Portanto, não é admitida a retenção do aluno, por falta de aproveitamento, nos três anos iniciais do Ensino Fundamental. A proposta de um plano individualizado de ensino necessariamente deverá ser feita para atender às necessidades especiais do estudante em questão, de forma a apoiá-lo no ano seguinte, sem afastá-lo da sua turma e dos colegas com quem iniciou o Curso.”

A Resolução CNE/CBE N.07/2010 recomenda veementemente que os três primeiros anos devam ser considerados como um único ciclo pedagógico sem interrupção , esse seria um caminho para as escolas, mas para isso elas precisam (re)significar seus projetos pedagógicos . A Resolução CNE/CBE n.07/2010:

Art. 30 Os três anos iniciais do Ensino Fundamental devem assegurar:

I – a alfabetização e o letramento;

II – o desenvolvimento das diversas formas de expressão, incluindo o aprendizado da Língua Portuguesa, a Literatura, a Música e demais artes, a Educação Física, assim como o aprendizado da Matemática, da Ciência, da História e da Geografia;

III – a continuidade da aprendizagem, tendo em conta a complexidade do processo de alfabetização e os prejuízos que a repetência pode causar no Ensino Fundamental como um todo e, particularmente, na passagem do primeiro para o segundo ano de escolaridade e deste para o terceiro.

§ 1º Mesmo quando o sistema de ensino ou a escola, no uso de sua autonomia, fizerem opção pelo regime seriado, será necessário considerar os três anos iniciais do Ensino Fundamental como um bloco pedagógico ou um ciclo sequencial não passível de interrupção, voltado para ampliar a todos os alunos as oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizagens básicas, imprescindíveis para o prosseguimento dos estudos

2) Quais as consequências emocionais caso ocorra uma retenção neste 1° ano?

Não vislumbro consequências emocionais danosas se houver necessidade de reter  o seu filho neste 1°ano. Em geral as crianças nesta idade aceitam bem quaisquer ocorrências, desde que os adultos lhe passem segurança e lhe dão apoio com conselhos , sugestões enfim… aceitem também o que está acontecendo.  No entanto, o Conselho Nacional de Educação entende que os três primeiros anos não devem reprovar, até porque o 1° é um introdutório, um começo de caminho que não deve ser interrompido.

3) Quais as legislações que amparam os alunos diagnosticados com TDHA?

Salvo engano, não há nada específico para um TDHA, mas toda a legislação referente a necessidades educacionais especiais também se aplicam neste caso. No entanto, encontrei um parecer importante do Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo contrário a retenção de aluno com TDAH (aqui)

Há outras para casos de necessidades especiais:

Constituição Nacional 1988 artigo 208 (aqui) 
Estatuto da Criança e do Adolescente (aqui)

Plano Nacional de Educação que estabelece vinte e oito objetivos para a educação com necessidades especiais (aqui)

Resolução número 2, de 11 de setembro de 2001 que institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (aqui)

LDB 9394/96 – CAPITULO V DA EDUCAÇÃO ESPECIAL (aqui)

4) O colégio é obrigado a fornecer meios para facilitar a aprendizagem desses alunos?
Sim, totalmente. A legislação é clara nesse sentido: tudo e mais um pouco a escola deve fazer para promover avanços. Reforço, aulas de recuperação paralela e ,sobretudo, um projeto específico para alunos com necessidades educacionais especiais.

5) Quais os meios que eu posso recorrer da  decisão de uma retenção?

Escreva uma carta para a direção solicitando reconsideração a respeito do resultado final do processo de ensino/aprendizagem explanando a condição de seu filho ser TDHA. Protocole este documento.

A direção terá que lhe dar uma devolutiva no máximo em 10 dias corridos. Se isso não acontecer, entre novamente com pedido de recurso junto a escola, porém, desta vez, endereçada para o Dirigente de Ensino Regional.

No entanto, não basta promovê-lo e, tampouco, retê-lo, porque em ambos os casos será necessário garantir uma série de procedimentos:

– Diagnóstico das dificuldades do aluno;

- quais os conceitos que não foram construídos e os motivos da dificuldade?      – quais os objetivos que  não foram atingidos e os motivos da dificuldade?
- quais foram as estratégias e recursos pedagógicos usados para sanar as dificuldades do aluno?

- Plano de Estratégias para sanar as dificuldades do aluno;

- Recuperação Paralela (fora do horário de aula);

Além disso, um plano de recuperação paralela deve ser elaborado com um cronograma de aplicação , enfim…. tudo e mais um pouco deve ser previsto para que este aluno atinja  os objetivos mínimos exigidos.


AJUDE A MANTER ESTE BLOG – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui





Tags: , , , ,

Veja Também: Sem assuntos relacionados.

115 Comentários »

  1. Cristina da Silva de Paiva comenta,

    janeiro 13, 2012 @ 17:29

    Professora Sônia eu amei esse blog.Ele é muito informativo e nos tira muitas dúvidas quanto a educação,regimento,deliberação etc.
    A quanto tempo eu procurava algo parecido.Que bom ! Encontrei.
    Parabéns pelo blog.

    Sou do Rio de Janeiro,município de Nova Iguaçu.Sou professora do fundamental I.Sônia uma mãe me procurou e disse que passaram a filha dela para o 3º ano em uma escola Pública mas a filha não escreve e tão pouco aprendeu a ler.Ela quer assinar um documento em que se responsabilizará para que a filha retorne ao 1ºano em uma escola Particular.Inclusive sou professora dessa escola.Ela pode mesmo assinar esse documento?Você tem o modelo que possa me enviar?Por favor aguardo um retorno para que eu possa direcionar essa mãe. Desde já muito obrigada.

  2. Profa. Sônia Aranha comenta,

    janeiro 13, 2012 @ 23:22

    Olá Cristina! Obrigada! Esse canto é de vocês!

    Então, esta questão é delicadíssima. Eu tive um caso parecido quando era diretora de escola particular e não houve jeito do supervisor de ensino liberar isso.

    Toda a nossa legislação é no sentido de avanço e não de retrocesso: aceleração, reclassificação para cima, não retenção.

    Meu conselho: não é de responsabilidade da escola resolver esta questão. A diretora deverá encaminhar ao órgão que supervisiona a escola (no Rio eu não sei muito bem como é …) solicitação de orientação neste sentido.

    Eu penso que não darão permissão para retroceder 2 anos. Quase que é impossível, mesmo que a mãe autorize , nesse caso a mãe não é autoridade máxima e sim o Estado.

    De modo que se vocês escola matricularem este aluno no 3o ano deverão contar com recuperação paralela , contínua e aulas de reforço para poder alfabetizá-lo .

    Agora, vai por mim, se em 3 anos ele não se alfabetizou é porque há algum probleminha por aí . Pense … mesmo que ele tivesse tido o azar de pegar 3 professores muito ruins alguma coisa ele saberia , se não sabe, tem alguma coisa emocional, familiar ou cognitiva e seria importante uma avaliação psicopedagógica, mas, por outro lado, se ele estiver ok em um ano ele recupera porque o 3o ano é uma antiga 2a série de modo que ele acaba conseguindo … o problema é que eu acho que não é só isso não…. para averiguar…

    Abraços!!

  3. Izolina Aparecida Lobo Veloso comenta,

    junho 23, 2012 @ 16:00

    Bom dia , Sonia! TENHO UM FILHO DE 13 ANOS ANOS QUE HÁ UM ANO ATRS FOI DIAGNOSTICADO COM TRANSTORNO BIPOLAR, NO ANO PASSADO, POR ORIENTAÇÕES MÉDICAS FOI NOS RECOMENDADO QUE AFASTASSE ELE DA ESCOLA POR AINDA ESTAVA MUITO AGRESSIVO. ESTE ANO ELE ESTABILIZOU, PORÉM AINDA TEM CARACTERISTICAS BIPOLARES , MAS SEM AGRESSÕES. ELE ESTA MATRICULADO NUMA ESCOLA PARTICULAR, ONDE ESTÁ SOFRENDO BULLING POR PARTE DOS PROFESSORES E COLEGAS, NÃO É AGRSSIVO MAS RESISTE À ORDENS. OS PROFESSORES ESTÃO PRESSIONANDO A DIREÇÃO DA ESCOLA DIZENDO QUE SE MEU FILHO CONTINUAR LA, ELES PEDIRÃO DEMISSAO PORQUE MEU FILHO TIRA A AUTORIDADE DELES FRENTE OAOS OUTROS ALUNOS. GOSTARIA DE SABER O QUE DEVO FAZER , VISTO QUE O PSIQUIATRA QUE O ACOMPANHA ACREDITA QUE ELE DEVE CONTINUAR NA MESMA ESCOLA, PORQUE SERA UM UM NOVO RECOMEÇO DE ACEITAÇÃO E ADAPTAÇÃO O QUAL SERA UM ATRASO NA VIDA DO MEU FILHO. NOSSO INTERESSE AGORA ENQUANTO MÃE E PSIQUIATRA E A SOCIALIZAÇÃO DO MEU FILHO E A ESCOLA NÃO ESTA CONTRIBUINDO. GOSTARIA DE SABER SE EXISTE LEIS QUE RESGUARDAM MEU FILHO E O QUE DEVO FAZER EM RELAÇÃO Á ESCOLA POR QUE ELE ESTA AFASTADO E PEDI UMA REUNIAO COM OS PROFESSORES. ESTOU DESESPERADA E MEU FILHO ESTA EM PRIMEIRO LUGAR E VOU LUTAR PELOS DIREITOS DELE ATE O FIM. AGUARDO SUA RESPOTA. ATENCIOSAMENTE, iZOLINA. jOÃO PINHEIRO – MG

  4. Profa. Sônia Aranha comenta,

    junho 23, 2012 @ 21:35

    Olá Izolina , o seu filho deve ser incluído em um programa de educação com necessidades especiais , isto é, a escola deverá desenvolver um projeto de aprendizagem específico para ele que incluindo:

    1) Reunião com os professores e com o médico psiquiatra para que este dê uma palestra para informá-los o que é biopolaridade, quais são as características e como lidar;

    2) Um trabalho pedagógico específico para que ele atinja os objetivos de forma adequada.

    Há toda uma legislação sobre necessidades especiais , entre no MEC para pegá-las

    abaixo um link para você a respeito

    http://www.soniaranha.com.br/2012/06/inclusao-de-alunos-com-necessidades-especiais/

    Se a escola continuar com este procedimento constitua um advogado e entre com uma ação por danos. Se quiser posso indicar uma advogada ótima.

    Assista a palestra que fizemos em São Paulo no último dia 28 de junho esclarecendo para os mantenedores de escolas que poderão sofrer ações por não atenderem a legislação do ensino e da Constituição Federal.

    http://www.soniaranha.com.br/2012/06/judicializacao-das-relacoes-escolares-palestra-com-a-profa-sonia-maria-aranha/

    Abraços

  5. Mirian Nunes Bem comenta,

    setembro 24, 2012 @ 19:44

    Olá Sonia,
    Parabéns pelo Blog.
    Me permita, no entanto, discordar do texto acima: a escola não pode reter o aluno nos 03 (três) primeiros anos do ensino fundamental, mesmo que conte com um regime seriado. A Resolução do CNE/CBE N.07/2010, em seu art. 30 e parágrafo 1º, não deixa qualquer margem de dúvida quanto a isso. O próprio dispositivo traz o fundamento do porquê disso, acrescentando que os anos iniciais citados devem ser considerados “um bloco pedagógico, um ciclo sequencial, não passível de interrupção”. Perfeitamente razoável e fácil de entender, então, o porquê não se deve “aceitar” sem indignação a tal retenção. Veja, não estou falando em aprovação automática. A Resolução do Conselho Nacional de Educação, Órgão vinculado ao Ministério da Educação, é ato normativo que deve ser observado, (especialmente por quem labora com educação) não havendo lei, neste caso, dispondo contrariamente. Curioso, para a data do corte etário as escolas seguem a Resolução do Conselho Nacional de Educação, até em prejuízo dos alunos em casos específicos, e, para retê-lo na série, nos primeiros anos, seguem o que dizem chamar de “consciência pedagógica”. Note, é a mesma norma em que uma parte (alguns artigos) as escolas se deixam recomendar e outra parte (outros artigos), de acordo com os seus interesses, não se deixam.
    Quanto ainda, as consequencias emocionais que essa retenção causa, também discordo, e dessa vez como mãe. Não há como não vislumbrar, obviamente é no meu ponto de vista, que um filho não venha se frustar, entender que os colegas (que ama) estão numa outra sala, outra turma, com nova professora (sistema seriado), e ele está com a mesma professora, com alunos novos, desconhecidos. Creio que haverá um dano sim, psicológico.
    Entendo que cabe medida judicial, sim, nos casos de retenção escolar nos primeiros anos do ensino fundamental, com alicerce no normatizado pelo CNE, visto que o espírito que permeia a educação em todos os níveis, é de progressão escolar, e não o inverso.
    Um grande abraço para vc e seus comentaristas. Se desejarem visitem o meu Site: http://www.mirianbem.jur.adv.br

  6. Profa. Sônia Aranha comenta,

    setembro 24, 2012 @ 20:01

    Prezada Mirian,
    agradeço os esclarecimentos e por sua visita!
    Abraços

  7. thais comenta,

    janeiro 22, 2013 @ 20:37

    Oi Sonia!

    Por favor me ajuda! Preciso reprovar minha filha mas o MEC não deixa! Minha filha tem 6 anos, completara 7 em março (2013) é uma criança normal, meiga e saudável, infelizmente ela tem dificuldade no desenvolvimento da linguagem (comum em minha família) trabalhamos o emocional dela e ela entende que tem uma pequena limitação e que isso “não é nada de mais” ela é igual a todas a s crianças… Ela fez acompanhamento de fono por uns 8 meses e evoluiu muito, mas tivemos de parar por motivo econômico e ela ficou 2012 sem terapia da fono mas, continuamos com a terapia e aula de reforço em casa, ainda assim ela evolui um pouco este ano. Em todas as matérias ela foi bem e quase não teve faltas na escola, nosso problema é que ela não aprendeu a ler e nem escrever, ela lê e escreve apenas alguma palavras bem simples , gato, comeu, bebe, etc… A escola solicitou a retenção mas foi negado, não podemos colocar ela no 2 ano, no 2 ano as crianças ja não tem apoio para ler, elas precisam ler o livro, entender o conteúdo e responder as questões, totalmente fora do que minha filha consegue, neste momento seria muito prejudicial para ela, ela vai se sentir inferior sendo a unica que não entende e não produz nada na aula! Por favor me ajuda a encontrar uma saida, quero o melhor para minha filha, não vou fazer ela se sentir inferior, jogar sobre ela algo que ela não consegue fazer, ela ira se frustar… Para mim o mais importante é o bem estar dela, 1 ano a mais ou a menos, não vai afetar a vida dela, porem se sentir inferior aos demais durante a infância pode sim afetar a vida dela…

  8. Profa. Sônia Aranha comenta,

    janeiro 24, 2013 @ 1:48

    Querida Thais,

    Compreendo a sua agonia, mas não compreendi o motivo pelo qual a escola solicitou retenção e foi negado.. A escola é pública? É pública ciclada, por isso não há retenção no 1o ano? Ou sua filha está na Ed.Infantil?

    De qualquer modo o que a sua filha precisa não é de retenção mas de um trabalho pedagógico que a faça avançar e que atenda a especificidade dela.

    Ela é uma criança que neste momento precisa de um trabalho pedagógico especial e não é com a retenção que ela terá esse acompanhamento específico.

    Veja bem, se na escola não há retenção no 1o ano então não há como ela ficar retida. Se isso é um fato, a escola precisa encontrar alternativas pedagógicas para acompanhar a sua filha. É direito de sua filha expresso em lei e a escola é obrigada a resolver esta questão.

    A escola é que precisa encontrar uma estratégia melhor do que a da retenção.

    Infelizmente sei que esta minha intervenção não foi de encontro com as suas expectativas , mas a escola terá necessariamente que acolher a sua filha e encontrar caminhos pedagógicos promissores para que ela avance sem ter que retê-la. Lembrando que o 2o ano do ensino fundamental de 9 anos é um introdutório da alfabetização, ok?

    Abraços

  9. Patricia comenta,

    setembro 1, 2013 @ 20:16

    Profa. Sonia,

    tenho uma filha de 6 anos que está na 1a serie do fundamental, a profa. queria que assinássemos um termo de alerta para retenção no 1o.ano.
    Achei um absurdo pois trocamos as crianças de escola este ano. Ela mal sabia contar ate 10 e o alfabeto completo. E já fez progressos já que a colocamos no Kumon de matemática e português e agora no final do mês a professora
    sugeriu que procurássemos um psicopedagogo pois está achando-a muito desmotivada e aquém do restante da sala. Por ser uma escola particular a nota de corte é seis só que ignoram todo o esforço que ela já fez. Como podemos lidar com isto?

  10. Profa. Sônia Aranha comenta,

    setembro 2, 2013 @ 1:34

    Olá Patrícia,

    Recomendo que você elabore um documento dirigido para a direção pedagógica da escola em duas vias , uma via você protocola na secretaria da escola e guarda o outro você deixa na escola.

    Neste documento você diz que sua filha tem 6 anos e está no 1o ano conforme a legislação de ensino e que a professora diz que em agosto que sua filha provavelmente será retida e que você não concorda com esta retenção porque tem visto progressos, ela está frequentando o Kumon enquanto apoio e o mais importante é que na Resolução CNE/CBE n.07/2010 , artigo 30 , (aqui) recomenda que os três primeiros anos do ensino fundamental seja compreendido como um único ciclo, sem retenções.

    Diga ainda em seu documento que você não aceitará uma retenção neste 1o ano e que entrará com todos os recursos possíveis para reverter uma possível retenção buscando os direitos de sua filha.

    Se você for do Estado de São Paulo tem vários passos para reverter uma possível retenção: pedido de reconsideração , recurso até ir ao Conselho Estadual de Educação é possível. O procedimento tem data certa e consta de um post que fiz aqui

    Se você for de outro Estado daí será necessário você buscar a legislação do Estado para verificar como proceder em caso de retenção.

    Mas eu acho que o procedimento é esse , enviar documento para a direção já alertando-a que você não aceitará retenção de sua filha assim ela ficará mais atenta ao procedimento da professora. Peça no documento reunião também e leve se possível seu marido junto. Tudo isso faz com que a escola olhe com mais cuidado o processo de ensino/aprendizagem de sua filha ok?

    Leia ainda: http://blog.centrodestudos.com.br/abolida-a-retencao-nos-primeiros-tres-anos-do-ensino-fundamental-de-9-anos/

    Abraços

  11. Mariana comenta,

    outubro 28, 2014 @ 20:21

    Olá, profª Sonia.
    Preciso que meu filho refassa o 1ºano do fundamental 1 e a escola (particular) me diz que não pode fazer isso. O que posso fazer para que a escola emita a documentação para que eu possa matricula-lo em outra escola no 1º ano?

  12. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    outubro 28, 2014 @ 20:42

    Olá Mariana, você terá que encaminhar documento por escrito para a direção argumentando os motivos pelos quais considera que uma reprovação seja mais adequada para o seu filho, porém não será fácil porque a escola é autônoma e soberana em sua decisão que está baseada em um processo de avaliação de um ano letivo inteiro.

    Além disso, toda a legislação de ensino é no sentido de avançar a criança e não retroceder.

    O único artigo da Constituição Federal que vc poderá usar a seu favor é o artigo 208 , inciso IV que diz:
    “V – acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um;

    Então, a sua defesa é que segundo a capacidade de seu filho ele deve refazer o 1o ano.

    Se depois deste documento a escola não aceitar reprovar o seu filho, você poderá tentar um mandado de segurança constituindo um advogado.

    Presto serviço de elaborar documento em defesa do aluno, mas cobro honorários para isso . Se tiver interesse entre em contato com contato@soniaranha.com.br

    Caso precise de indicação de advogado para impetrar mandado de segurança para reprovar o seu filho também entre em contato ok?

    Abraços

  13. Patrícia Cardoso comenta,

    novembro 11, 2014 @ 19:12

    Professora Sônia,
    Tenho uma dúvida. Trabalho em uma escola municipal no interior do estado do Rio. Tenho um aluno, do 1º ano, que veio de casa, sem jamais frequentar outra instituição de ensino.
    O menino não sabia seu nome (isso mesmo, ele não sabia qual era seu nome), idade, as cores primárias. Em uma turma de 32 alunos, esforcei-me em dar atenção especial a ele. Ainda assim, hoje, 11 de novembro, ele ainda está bem aquém do esperado. Ele sabe escrever seu nome, conta até 10 e conhece as vogais. Os outros alunos leem, escrevem e produzem textos. É muito fácil dizer que não podemos comparar alunos. Mas, o que fazer então? Não posso simplesmente fechar os olhos e esperar que ele se recupere no próximo ano! Na minha cidade, não temos recursos. Encaminhei para fono, psicopedagoga… e nada! No ano que vem, a nova professora terá a mesma paciência de trabalhar tudo diferente com uma criança?
    O mais incrível é que a mãe QUER que o filho fique retido… Sinceramente, isso seria o melhor para ele! Ele ainda tem 6 anos, pode recuperar-se, desde que esteja no lugar certo, com crianças que estejam equiparadas a ele…
    O que faço? A mãe pode entrar com um recurso para que seu filho fique retido??? E eu como professora?? Só quero o melhor para o meu aluno. E o melhor para ele, definitivamente, é fazer o 1º ano novamente

  14. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 12, 2014 @ 0:27

    Patrícia,

    Você está muito ansiosa e não há necessidade, porque ninguém diz que não se pode reprovar no 1o ano, o que se diz é que não é recomendável.

    Se você tem argumentos pedagógicos (porque a maioria dos seus argumentos não são pedagógicos e seriam derrubados por qualquer supervisão de ensino : a cidade, próxima professora, outros alunos, não são argumentos pedagógicos.)

    Você está avaliando uma pessoa por inteiro e é ela e não é mais ninguém. É ela com a história dela, com a especificidade dela. Única e específica.

    Explane para si o problema de forma técnica/pedagógica, afinal você é professora, de modo que explane o processo de ensino/aprendizagem:

    - quais são os objetivos traçados para o 1o ano do ensino fundamental de 9 anos que atende crianças de 5 a 6 anos de idade (porque claro, não se trata mais de crianças de 7 a 8 anos de idade como ocorria na 1a série do ensino fundamental, é bom que este fato não seja esquecido.)?

    identificar letras, construir o conceito de sílabas, construir o conceito de palavras simples ?

    O que é preciso saber para ser aprovado no seu 1o ano em português, matemática, ciências, geografia e história?

    Se o aluno não alcançou os objetivos pretendidos fim, reprovação.

    Eu particularmente sou contra reprovar, porque eu não acredito que a aprendizagem se dê por repetição.

    O que é reprovação se não o repetir novamente todo um procedimento e de um mesmo modo?

    Este é o fundamento da base da reprovação, reprovar para repetir o mesmo, para fixar normas e conceitos.

    Esta é uma concepção de educação. Se é nisso em que acredita, ok, sem problemas, prove que está certa com argumentos pedagógicos e reprove o aluno.

    Não tem drama.

    Por que a mãe entrará com recurso para o filho ficar retido se você professora considera a reprovação único caminho para aprendizagem dele? Onde está o problema? A escola é ciclada? Não há reprovação na sua escola?

    Não compreendi.

    De qualquer forma se você que é a professora considera a reprovação, reprove,ok?

    Abraços

  15. Janaina Martins comenta,

    dezembro 5, 2014 @ 17:53

    Boa tarde!
    Minha filha tem 7 anos estuda em uma escola particular.Esta no segundo ano é lei para todas as escolas que não poderá ser reprovada,ou só para escolas públicas?
    Ela ficou de recuperação em 4 matérias,gostaria de saber se ela não atingir a média que é 6 ela poderá ser reprovada ou não .
    Não sei se entendi bem isso é a escola que decide?
    Ou existe uma lei que a criança não pode ser reprovada nos primeiros 3 anos.Fico no aguardo.Abraços!!!!!!!!!!

  16. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 7, 2014 @ 3:32

    Janaina, para todas as escolas.

    Para saber se ela poderá ou não ficar reprovada só lendo o Regimento da Escola e cada escola tem um tipo de Regimento.

    Sim, existe a Resolução CNE/CBE n.07/2010 artigo 30.

    Se você for de São Paulo há um Parecer também.

    De que Estado você é? abraços

  17. Janaina Martins comenta,

    dezembro 8, 2014 @ 21:00

    Boa noite!
    A escola que ela estuda é em Alvorada no Rio Grande do Sul.
    Outra coisa que esqueci de mencionar,ela não sabe ler também ela escreve,soletra as palavras e diz o que esta escrito,mas ler uma frase toda não sabe.
    Ela pode ser aprovada mesmo não sabendo ler?
    Fico no aguardo.Obrigada.Abraços!!!!!!!!

  18. Janaina Martins comenta,

    dezembro 8, 2014 @ 21:07

    Boa noite!
    Ela estuda em Alvorada Rio Grande do Sul.
    Outra coisa ela não sabe ler,ela soletra as palavras mas uma frase inteira ela não lé.A escola pode aprovar ela mesmo ela não sabendo ler?
    Fico no aguardo.obrigada.
    abraços!!!!!!!!

  19. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 11, 2014 @ 1:10

    Olá Janaina , ela está nos três primeiros anos do ensino fundamental, não precisa reprovar e a escola tem que alfabetizá-la. ..

    Abraços

  20. Roberta comenta,

    dezembro 13, 2014 @ 17:20

    BOA TARDE!
    SONIA

    MINHA FILHA ESTAR NO 3º ANO /9 EM UMA ESCOLA PARTICULAR,HOJE COM 8 ANOS ADIANTAMOS ELA NA PRIMEIRA SÉRIE ,POREM NÃO FOI BOM PARA ELA ,COMEÇOU A LER SÓ NO FINAL DO SEGUNDO ANO QUERIA QUE A ESCOLA RETESE ELA POREM A PEDAGOGA NÃO AUTORIZOU DIZENDO QUE A LEI NÃO PERMITIA ,QUE SÓ PODIA RETER NO TERCEIRO ANO ,ESTE ANO COMEÇOU BEM POREM TIVEMOS O FALECIMENTO DO MEU PAI E ELA REDUZIU 80 % DO RENDIMENTO CONSIDERANDO QUE EU FIQUEI MUITO ABALADA COM O FALECIMENTO DO MEU PAI TAMBÉM NÃO CONSEGUINDO DAR O APOIO QUE PRECISAVA NA ESCOLA .
    ELA FICOU EM RECUPERAÇÃO EM TODAS AS MATÉRIAS ,ENTÃO DISSE PARA A PEDAGOGA QUE QUERO QUE RETEM A MINHA FILHA ELA ME RESPONDEU QUE É PRECISO ELA FAZER A RECUPERAÇÃO PARA ALCANÇAR A NOTA PARA PASSAR PARA O 4º ANO ,MESMO MUITO FRACA .
    NÃO CONCORDO POR QUE EM DOIS DIAS ELA NÃO RECUPERAR O QUE PERDEU O ANO TODO .ME DISSE TAMBÉM QUE A LEI MUDOU E QUE NÃO PODE RETER ELA NO TERCEIRO ANO SÓ NO QUARTO ANO .
    E AGORA O QUE EU FAÇO. POR GENTILEZA TENHO URGENCIA NA RESPOSTA POR QUE A RECUPERAÇÃO É NA SEGUNDA FEIRA DIA 15/12/2014 .

    DESDE DE JA LHE AGRADEÇO.

  21. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 14, 2014 @ 2:53

    Roberta a escola está correta há mesmo a Resolução CNE/CBE n.07/2010 que impede a reprovação nos três primeiros anos do ensino fundamental. http://blog.centrodestudos.com.br/resolucao-cneceb-n-07-14122010-novas-diretrizes-curriculares-para-o-ensino-fundamental-de-9-anos/

    Mas você poderá recorrer da decisão com um Pedido de Reconsideração endereçado a diretora dizendo que você acha que sua filha não atingiu os objetivos do ano letivo e que precisa permanecer no 3o ano enfim.. dê a sua justificativa e use a Constituição Federal n.208 que diz que a criança deve avançar segundo a sua capacidade e se ela não tem capacidade deve ficar no 3o ano. Diga que assume toda a responsabilidade e pede para que o Conselho de Classe avalie novamente e a mantenha no 3o ano… algo do tipo, ok?

    Enviado em 13/12/2014 as 11:56 | Em resposta a Vera.

    Vera, precisa sim .. tudo por escrito!!! Se forem do Estado de São Paulo há o ato normativo Deliberação CEE n.127/2014 que disciplina o procedimento . Sigam à risca http://www.soniaranha.com.br/deliberacao-cee-sp-n-1272014-altera-a-deliberacao-cee-sp-n-1202013/

    Segue um modelo simples. Você pode explicar o motivo pelo qual quer a aprovação. Se for de São Paulo cite a Deliberação.

    A
    Ilm. (a) Sr. (a)
    Diretor (a) Pedagógico (a)
    Colégio __________________________

    P E D I D O D E R E C O N S I D E R A Ç Ã O

    Eu , ____________________, responsável legal pela aluna(o) _________________________ regularmente matriculada no ________ do Ensino ___________, deste estabelecimento de ensino , venho mui respeitosamente ,solicitar que VSa, juntamente com o Conselho de Classe, venham reconsiderar o resultado final do processo de ensino/aprendizagem de meu filho à luz da legislação lei federal n.8069/90, artigo 53,inciso III.

    Aqui você explica as suas motivações e termina com

    Na certeza de que o Conselho de Classe ,com a orientação de V.Sa, poderá analisar com maior clareza o processo de ensino/aprendizagem de minha filha revertendo o resultado final, é a intenção deste meu pedido que compreende uma devolutiva em um prazo de 10 dias. A não observância deste prazo fará com que solicite aos órgãos competentes o recurso desta decisão.

    Cordialmente

    nome
    Data:
    Abraços

  22. FABIANA comenta,

    dezembro 31, 2014 @ 15:35

    Boa tarde, preciso urgentemente de sua ajuda Dª Sonia: Mu filho perdeu o pai de uma forma horrível. tudo desandou no seu desenvolvimento. na escola reprovaram ele, um pouco foi marcação pelo jeito imperativo dele ser, mas devido a falta do seu pai. Gostaria que me aconselhasse para recorrer para ele não ser reprovado. ele esta no 8º ano. Me ajuda!!

  23. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    janeiro 3, 2015 @ 13:32

    Fabiana preciso saber qual é o Estado que você mora?
    Aguardo

  24. Adriana comenta,

    janeiro 12, 2015 @ 2:07

    Boa noite

    Preciso urgente da sua anosajuda.Meu filho foi retido no 6 ano. em uma escola do sistema adventista, em sp.A media anual é 6.0.Ele ficou em port.4.5/geo 5.0/ cien.5.0. No conselho de escola decidiram reprova-lo, mesmo tendo passado em 8 mat. sendo assim, entrei com recurso na escola .Segundo a coordenadora a professora de port. tem peso maior e decidiu manter a retenção.Ele fará treze anos em junho e vai frequentar as aulas com crianças de dez anos/ e por causa da escola ela já está um ano atrasado pois comeram bola na mundança do ensino de 9anos. Acompanhei os resultados durante o ano na mat. de l.p. ele frequentou o plantão de duvidas oferecido na escola ,onde todos os alunos do ¨6 ano até o nono estão na mesma sala. Agora vou recorrer via diretoria de ensino.Peço sua ajuda. Será que vale apena? obrigada.Aguardo resposta urgente.

  25. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    janeiro 13, 2015 @ 6:03

    Adriana, recapitulando:

    1) Seu filho retido no 6o ano e tem 13 anos em port/geo/cien

    2) Você entrou com o Pedido de Reconsideração

    3) A escola respondeu mantendo a reprovação

    4) Agora vc entra com o Recurso.

    É seu direito entrar com Recurso e dar continuidade ao processo. Será preciso encontrar falhas na escola para reverter a reprovação.

    Eu acho que vale a pena por que não? Mas quais as chances? 50%.

    Entre sim…

    Caso precise presto este serviço mas cobro honorários ok? saranha@mpcnet.com.br

  26. adriana comenta,

    janeiro 14, 2015 @ 17:50

    muito obrigada seu blog realmente nos anima a enfrentar essa situação tão difícil de aceitar,pois um aluno reprovado fica marcado na escola , na família e entre os amigos.li vários artigos sobre reprovação , é muito claro que os resultados são mais negativos que positivos.sei que há momento que a escola precisa recorrer a esse amargo remédio,mas deveria ser a ultima solução.

  27. renee comenta,

    janeiro 29, 2015 @ 16:48

    Olá boa tarde !
    Minha filha tem 7 anos e completa 8 em julho…ela fez 1° ano numa escola particular conceituada aqui no RJ e eu estou e mudando para SP , e ao matricula-la foram me feito muitos questionamentos ,sobre o por que da reprovação..
    Agora ela esta matriculada na 1° serie novamente e a diretora abriu um processo na secretaria de ensino,pois ela esta alfabetizada e não apresenta nenhum problema para a reprovaçao…A dra acha que devo procurar essa escola do RJ e solicitar a aprovaçao dela ? para que ela consiga realizar a 2° série sem esse processo de Sp que é demorado..Obrigada

  28. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    fevereiro 2, 2015 @ 17:15

    Renee,

    A escola de São Paulo, salvo engano, terá dificuldades de ter o que fazer porque não pode ser feita a reclassificação.
    Não há nada que a escola de São Paulo possa fazer .

    Vc poderá entrar com Recurso na escola do Rio de Janeiro.

    Vou entrar em contato.

  29. Katia comenta,

    fevereiro 5, 2015 @ 19:38

    olá, meu filho tem 6 anos e cursou ano passado o primeiro ano do fundamental. minha duvida é: a professora me aconselhou em ele fazer novamente ao primeiro ano pois ele não foi com notas boas em portugues e matematica. Eu acompanho o nas tarefas de casa e percebo que ele conhece as silabas mas ainda não consegue ler as palavras. Gostaria se tomei a decisão certa em deixa-lo repetir o primeiro ano. Agradeço.

  30. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    fevereiro 10, 2015 @ 2:56

    Katia,

    Não é o que determina a Resolução CNE/CBE n.07/2010. Ela diz que não é para ter reprovação no 1o ano do ensino fundamental.

    Qual é o seu Estado ? Escola pública ou particular?

  31. Rita Portela comenta,

    fevereiro 26, 2015 @ 3:00

    Boa noite, Sônia,

    Em primeiro lugar quero parabenizar e agradecer pelo espaço virtual tão útil e informativo comandado por você

    Bem, meu nome é Rita, mãe de Felipe. Nós moramos em Salvador. Meu filho acabou de completar 7 anos (15 de fevereiro) e está frequentando uma escola particular, cursando o 2º Ano. Anteriormente, ele estudou do Grupo 2 ao 1º Ano em uma outra escola particular.
    Felipe teve um atraso na aquisição da linguagem em por conta disso, a aprendizagem na escola ficou comprometida. Hoje, a questão da linguagem está 80% resolvido. Ele continua com terapia com a Fono, pois ainda apresenta certa dificuldade de organizar as ideias e se expressar adequadamente. Por exemplo, ele apresenta muita dificuldade em relação ao reconto de história ou relato de um acontecimento. Ele se expressa de forma ainda muito empobrecida. Ele foi avaliado por vários profissionais e não tem nenhum diagnóstico de distúrbios tais como autismo ou TDHA. Em 2014 acompanhei ainda mais de perto meu filho junto a escola e fui sempre informada de que o rendimento dele estava abaixo da média, apesar de alguns avanços. Em várias reuniões com professora e coordenadora pedagógica deixei claro que não me importaria e acharia até melhor que Felipe fosse retido e refizesse o 1º Ano em 2015. E eu já estava tranquila e contando com tal retenção, pois sem dúvida de que seria o melhor para ele. Para minha grande surpresa, a escola não foi coerente e promoveu meu filho para o 2º Ano.
    Ao tentar matricular meu filho no 1º Ano na escola nova não consegui por conta da legislação. Mesmo sendo a mãe, cuidadora e mantenedora de Felipe não tive o direito de tomar tal decisão. Ele está cursando o 2º. Ano, estamos felizes com a escola nova, mas continuo achando que meu filho não está maduro o suficiente para acompanhar e tirar proveito do trabalho desenvolvido com as crianças do 2º Ano da turma dele. Cada criança tem um ritmo de desenvolvimento e eu conheço e sei o ritmo do meu. Felipe é muito inteligente e precisa dessa chance para prosseguir avançando feliz.
    Minha pergunta: tem como conseguir judicialmente que meu filho curse o 1º Ano? Estou disposta a fazer o que for necessário.

    Desde já muito obrigada pela atenção e paciência.

    Rita Portela

  32. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    fevereiro 26, 2015 @ 20:18

    Rita Portela, posso indicar-lhe uma advogada para impetrar mandado de segurança e garantir que seu filho retorne para o 1o ano.

    Para isso vc precisará de uma avaliação médica que indique que seu filho não tem condições cognitivas de acompanhar o 2o ano do ensino fundamental.

    É uma ação difícil e cara , com poucas chances de êxito. Mas se precisar posso indicar advogada para vc.

    Minha sugestão seria mantê-lo no 2o ano e se ele não atingir os objetivos pretendidos reprová-lo neste 2o ano.

    A professora tem , necessariamente, que fazer para ele um PDI – Plano de Desenvolvimento Individual específico para as necessidades dele. Eu vejo que é um caso de inclusão e particularmente não acredito que reprovação seja uma estratégia pedagógica eficiente para casos como o do seu filho.

    Mas é isso… abraços

  33. paulo comenta,

    junho 12, 2015 @ 1:35

    Meu filho estuda na rede privada de ensino, a escola obrigou ele a participar de uma festa junina, podendo perder pontos (50%) das provas de cada disciplina do segundo bimestre. Gostaria de saber se segundo a lei, ele é obrigado a participar da festinha neste caso?

    Obrigado,

    Paulo Batista (Pai)

  34. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    junho 12, 2015 @ 2:03

    Paulo, depende.

    Você poderá verificar se no calendário escolar a festa junina consta como dia letivo.Por exemplo, ocorre em um sábado, mas que foi considerado dia letivo no calendário. Peça o calendário oficial na secretaria para verificar a quantidade de dias letivos, não vale o resuminho que eles entregam para os pais. Se a festa ocorre no sábado, mas esse sábado não foi considerado letivo, você poderá argumentar que não se trata de dia de aula e , portanto, seu filho não pode ser punido pedagogicamente por um dia que não há aula na escola.

    Se a festa junina ocorrer em dia de aula , daí ela é tida como uma atividade educativa e como tal pode sim ser conferida uma nota de participação.

    O problema é tentar compreender o motivo pelo qual é importante para a escola a participação na festa e explicá-la para o seu filho. É importante:

    - porque trata-se de uma festa folclórica que resgata um jeito caboclo de festejar nos idos do século IX ?
    - porque a escola é católica e a festa junina tem relação com os santos católicos e a escola pretende fortalecer a fé.
    - porque é importante fortalecer os laços afetivos da comunidade escolar e em dias de festa é um momento propício para que alunos, pais, professores e direção se divirtam juntos.

    Enfim… é preciso saber o motivo pelo qual a participação é tão importante a ponto de tirar ponto daqueles que não querem participar. (escola autoritária né? ao invés de convencer o aluno e estimulá-lo, pune.)

    Por outro lado seria importante a escola ouvir o motivo pelo qual o seu filho não quer participar da festa: motivos religiosos (em geral protestante não participam de festas juninas por serem católicas em sua raiz), o motivo é que não quer dançar com a coleguinha , não gosta de interagir…Em geral os meninos (dependendo da idade) detestam festas juninas porque não querem dançar a quadrilha.. são tímidos … há mil motivos para não participar.

    Enfim, acho que você pode fazer o meio de campo e ouvir o que a escola tem a dizer e fazer com que a escola ouça o seu filho.

    Na lei a escola é autônoma para optar pelo seu modo de ensinar e suas atividades educativas. Se faz parte da avaliação da escola não há muito como fugir.

    Mas se o argumento do seu filho for bom, você poderá argumentar que isso fere o direito individual dele, mas precisa verificar o motivo da recusa na participação ok?

    abraços

  35. Profª Loide Fofonka comenta,

    julho 2, 2015 @ 14:02

    Oi, Professora Sônia! Temos de aprovar alunos até o 3º ano, mesmo apresentando deficiência cognitiva?

    Até quantos anos um aluno pode ser retido numa mesma série?

  36. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    julho 3, 2015 @ 21:12

    Profa.Loide,

    1) O que a Resolução CNE/CBE n.07/2010 dirá em seu artigo 30 é que os três primeiros anos devem ser compreendidos como um único bloco pedagógico de modo a não haver ruptura.

    Se o aluno tem deficiência cognitiva trata-se de um aluno com necessidades educacionais especiais e que devem ser levadas em consideração por intermédio de um PDI (aqui)

    2) Até quantos anos um aluno poder ser retido numa mesma série?

    No máximo uma vez, caso contrário, o problema é do ensino e não da aprendizagem. Uma escola que reprova o aluno duas vezes não compreendeu quem é esse aluno e como é que ele aprende e o que aprende.

    Abraços

  37. elizangela comenta,

    agosto 11, 2015 @ 1:05

    olá, meu filho estuda no pré II em uma escola municipal, possui alguns problemas como hiperatividade, aprendizagem lenta, problemas com coordenação motora fina (mãos) devido alguns problemas no parto prematuro, enfim ele nao consegue escrever nenhuma letra.Gostaria que a escola reprovasse meu filho, ele nao tem condições de ir para o primeiro ano. Como faço para reprova´-lo?

  38. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    agosto 12, 2015 @ 21:04

    Elizangela, não há como reprová-lo porque não há reprovação na Ed. Infantil.

    Mas você pode impetrar mandado de segurança via Justiça para pedir a retenção dele na E.dInfantil

    Constitua um advogado posso indicar um.

    Mas veja, terá que ter uma avaliação psicopedagógica que ateste que ele não tem capacidade cognitiva para seguir adiante.. tudo bem documentado, com laudo e tudo

    abraços

  39. Cris comenta,

    setembro 17, 2015 @ 13:13

    Olá prof Sônia,

    Para o estado de SC agora em 2015, pode reprovar no 2º ano?

  40. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    setembro 17, 2015 @ 20:32

    Cris,

    A Resolução CNE/CBE n.07/2010 que define as Diretrizes Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos é para todo o Brasil e todas as escolas.

    Em seu artigo 30 diz que não é para reprovar nos três primeiros anos do ensino fundamental e para que a escola entenda os três primeiros anos como um único ciclo pedagógico.

    Então, dá para recorrer se houver uma reprovação no 2o ano do ensino fundamental.
    Em São Paulo há um Parecer do Conselho Estadual de Educação que reitera esse mesmo entendimento.
    Em Santa Catarina não sei se há algo específico , mas pode usar a Resolução CNE/CBE n.07/2010 http://blog.centrodestudos.com.br/resolucao-cneceb-n-07-14122010-novas-diretrizes-curriculares-para-o-ensino-fundamental-de-9-anos/

    ok? abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  41. Sueli Luiza R. Santos comenta,

    outubro 5, 2015 @ 21:25

    Boa noite Sonia.

    Tenho um caso que é ao contrário, meu filho foi diagnosticado com déficit de atenção. Ele está no primeiro ano do fundamental mas não está alfabetizado. Recebi orientações de professores de que o ideal seria que ele refizesse o primeiro ano para não sofrer mais as frustações que vem sofrendo e aprová-lo para um segundo ano já alfabetizado irá intensificar suas dificuldades, contudo, com esta nova lei do MEC saberia informar se existe alguma forma de eu retê-lo no primeiro ano. Eu entendo que é também uma questão de amadurecimento e que reprová-lo seria mais no sentido de ajudá-lo frente todas as dificuldades que ele vem tendo.

    Obrigada.
    Sueli

  42. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    outubro 5, 2015 @ 22:22

    Olá Sueli,

    Basta a escola justificar a reprovação que penso não haver problema.

    Eu particularmente sou contra a reprovação porque acho que se o seu filho tem déficit de atenção tem garantido um programa de inclusão que deveria ter sido realizado, por intermédio de um Plano de Desenvolvimento Individual http://www.soniaranha.com.br/plano-de-desenvolvimento-individual-pdi/específico específico visando atendê-lo em suas necessidades.

    O que é preciso compreender que estamos no século XXI e que a escola deve contar com programas pedagógicos individualizados para atender a cada um de seus alunos. Não é mais possível trabalhar com uma média .. A legislação garante um trabalho diferenciado.

    De modo que repetir de ano revendo o mesmo conteúdo e o mesmo modo de ensinar não resolve, mas se você quer e a escola quer .. justifique isso de modo pedagógico, já que a escola é autônoma para aprovar ou reprovar, desde que tenha argumentos à luz da legislação para fundamentar sua ação pedagógica.

    abraços

  43. Eduarda Tolentino comenta,

    outubro 15, 2015 @ 20:10

    Olá Sonia, tenho filhas gêmeas que completarão 6 anos agora em dez/2015, elas estão no último ano do infantil do colegio em que estudam (escola particular em Santa Catarina) e a escola no período de matrícula, quando ía realizar a matricula delas para o primeiro ano, o colegio me chamou para dizer que elas não teriam condições de seguir para o primeiro ano, que já nesre ano de 2015 estão a quem de seus colegas de sala, e que elas não acompanhariam e seria psicologicamente ruim para elas. Elas nasceram prematuras, tiveram um atraso no desenvolvimento, mas evoluiram muito com fisioterapia, fono, etc,… Agora apresentam um discreto atraso para a idade delas, e que com acompanhamento externo teriam plenas condições de seguirem para o primeiro ano (constatação escrita em laudo pela neuropeiatra delas), visto que as mesmas possuem diagnóstico de TDAH. A escola recomenda que não sigamos com elas para o primeiro ano e agora para que façamos isto ela pede que assinemos um termo de que estamos cientes da decisão da escola, e de que estamos indo contrários a ela e que PASSANDO AS MENINAS PARA O PRIMEIRO ANO, ESTAMOS PREVALECENDO OS LAÇOS SOCIAS VISTO QUE FREQUENTAM ESSA ESCOLA A 4 ANOS, E QUE NÃO PRECONIZAMOS O CRESCIMENTO COGNITIVO DELAS! Não sei o que fazer, a escola tem esse direito? Tenho mesmo que assinar este termo? Se eu não assinar eles podem me impedir de matricula-las no primeiro ano? Desculpe tantos questionamentos, mas a situação é esta! Obrigada pela atenção!

  44. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    outubro 15, 2015 @ 20:46

    Olá Eduarda,

    1) A escola está errada;

    2) Não há reprovação na Educação Infantil;

    3) Para reter a meninas, mesmo que você quisesse , só com mandado de segurança com liminar do juiz.

    No início do ano letivo de 2016 elas terão 6 anos completos e necessariamente por Resolução do Conselho Nacional de Educação e da Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina deverão ingressar no 1o ano do ensino fundamental.

    Não assine termo nenhum e faça a matrícula na escola.

    As crianças tem direito de frequentar o 1o ano e a escola tem a obrigação de aceitar.

    O Sindicato das Escolas particulares de Santa Catarina distribuíram um comunicado para as escolas privadas para não aceitarem matrículas de crianças com deficiência ou com necessidades especiais , caso de TDAH, por isso que estão a fazer isso..

    O problema é que estamos com uma lei nova Lei Brasileira de Inclusão de Pessoas com Deficiência e a Confederação Nacional de Estabelecimentos de Ensino Privado – COFENEM entrou com uma ADI para suspender as exigências que a nova lei determina para as escolas particulares , mas ainda não houve decisão do Supremo, então, o que está a valer é o que a lei determina.

    A escola não está pensando nas crianças ela está pensando em si própria porque terão que efetivar um trabalho individualizado para as meninas e como não poderão cobrar nem um centavo a mais por isso estão impedindo as meninas de seguir adiante.

    Eu presto serviço de defesa do aluno no campo administrativo, isto é , junto a escola, caso precise posso elaborar um documento para a direção da escola expondo toda a legislação e exigindo a matrícula no 1o ano e se não ter certo faço documento para o Ministério Público intervir e fazer a matrícula, mas cobro honorários. Se precisar entre em contato: saranha@mpcnet.com.br .

    Abraços

  45. Eduarda Tolentino comenta,

    outubro 16, 2015 @ 2:03

    Oi Sonia!! Muito obrigada pela sua resposta, foi bastante esclarecedora, amanha meu marido e eu iremos ao colegio para efetivar a matricula das meninas no primeiro ano, caso não consigamos, iremos te contactar para contratar seus serviços, sim! Obrigada pela atenção!

  46. Alexandra comenta,

    outubro 30, 2015 @ 13:59

    Por favor , me ajude meu filho tem 6 anos e está no 1 ano já fui chamada 3 vezes para informar a dificuldade dele mas agora já lê algumas coisas e estão falando em reprova – lo me informe se podem reprova – lo sendo que ele saiu de outra escola, ele tem até aula particular , e por isso não enviaram o convite de formatura para mim por que disse que era só pra quem vai passar me ajude por favor moro em Vassouras Rj.

  47. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 3, 2015 @ 18:31

    Alexandra

    Você poderá recorrer, mas as chances de reverter depende muito do caso.

    Há uma Resolução do Conselho Nacional de Educação que diz para não reprovar, então, é usá-la na elaboração de documento e endereçá-lo para a direção e depois , se não surtir o efeito desejado, subir de instância.

    Eu presto serviço de elaborar o documento e seguir com o processo, mas cobro honorários por isso. Caso precise entre em contato: saranha@mpcnet.com.br

    Caso queira contratar meus serviços vou precisar de alguns dados para conseguir elaborar o documento em defesa do seu filho,ok?

  48. Betania comenta,

    novembro 9, 2015 @ 18:12

    Ola Prof(a).

    O caso do meu filho é o seguinte, ele fez 6 anos em 08/2015 e está no 1º ano, eu particularmente ano passado não quis que ele fosse, mas as professoras disseram que ele estava apto, e hoje vejo a dificuldade que ele tem em ler e contar, fazer contas, quero deixá-lo no 1º ano, eu posso???

  49. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 9, 2015 @ 19:12

    Betania, qual é o seu Estado?
    aguardo

  50. Carlos Mendes Junios comenta,

    novembro 11, 2015 @ 15:21

    Lamento muito que os pais relutem tanto na reprovação dos filhos, desde que justa, principalmente nas series inicias quando cada criança está em momentos diferentes.
    Competências e habilidades que deixaram de ser desenvolvidas causam nas crianças muitos constrangimentos dela diante dos amigos de classe.
    A criança é promovida, mas a sua defasagem em muitas situações são tantas que os amigos passam a rejeita-la.
    Sabemos que as crianças não poupam palavras e apelidam mesmo o coleguinha de burro ou sinônimos semelhantes.
    Se o seu filho está no final do primeiro ano e ainda não está alfabetizado é o momento de sentar com o professor e discutir o caso.
    Lembre que temos crianças que se alfabetizam aos cinco anos e outras ao sete anos e nada tem a ver com ser mais ou menos inteligente.
    Temos encontrado sim, crianças que são esmagadas pelo sistema e apresentam todo tipo de problemas emocionais.
    Não vejo o motivo de tantos pais quererem acabar rapidamente com o momento mais magico que temos que é o período da infância.
    São muitos os pais com graves problemas emocionais que querem ter filhos gênios e os destroem exigindo atitudes, comportamentos e aprendizagens que ainda não estão no momento.

  51. Ana comenta,

    novembro 13, 2015 @ 12:49

    Quero parabenizá-la pelo seu blog .
    Preciso de uma ajuda , quanto ao meu filho .
    Ele está no 1o ano fundamental em uma escola particular (Interior do Rio de Janeiro ) e sempre ouço que esta escola , reprova o aluno tando no 1o ano como nos demais .
    Preciso muito saber se isso é pertinente ao MEC, reprovar aluno na alfabetização . Se tem alguma Lei que possamos nos respaldar quanto a este assunto .
    Venho acompanhando meu filho o ano todo , sempre pergunto a tia como esta o desenvolvimento dele , e a resposta é sempre positiva .
    Mas mesmo assim , fico precoupada por apresentar ainda algumas dificuldades em Matemática , e como o colégio nao apresenta uma comunicação clara com os pais , tanto que não temos reuniões nenhuma no decorrer do ano , fico muito preocupada até onde está indo a sinceridade deles quanto ao desenvolvimento do meu filho na escola .

    Agradeço pela sua resposta.
    Ana

  52. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 13, 2015 @ 14:53

    Olá Ana,

    No Estado do Rio de Janeiro não há um ato normativo que discipline o Recurso, porém você poderá usar a lei federal n.8069/90, artigo 53, inciso III porque ela garante o direito da criança e do adolescente a contestar critérios avaliativos em instâncias escolares superiores.

    Se a escola reprovar o seu filho entre com Recurso junto a direção da escola alegando que a Resolução CNE/CBE n.07/2010, em seu artigo 30 diz que não é para reprovar no 1o ano do ensino fundamental.

    E se a escola não voltar atrás na decisão você entra com Recurso junto a Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro ou no Conselho Estadual de Educação do Rio de Janeiro.

    Eu presto serviço de elaborar documento de defesa do aluno, mas cobro honorários para isso. Caso você precise entre em contato com saranha@mpcnet.com.br ou contato@soniaranha.com.br

    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  53. nilton carlos de oliveira neto comenta,

    novembro 27, 2015 @ 15:55

    pro sonia eu nilton
    estou no 6 ano a eeu reprovei em 2 materias e verdade se eu reprovar de 2 materias pra baixo nas ferias e tenho que recuperar a nota ou se nao eu reprovo

  54. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 28, 2015 @ 15:17

    Oi Nilton,

    Não entendi direito. Você já reprovou em duas matérias?
    Tem como fazer recuperação em janeiro?
    Escola pública ou particular?
    Onde você mora?
    Aguardo

  55. Fábio Lima comenta,

    dezembro 9, 2015 @ 19:11

    Boa tarde! Professora Sônia tenho uma dúvida e gostaria que você me ajudasse a esclarecer-la.

    Um aluno com 5 anos de idade cursou a 1º ano, e no ano seguinte foi promovido para o 3º ano. Esse promoção é valida?

  56. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 10, 2015 @ 4:56

    Fábio,

    Hummm … só com a anuência da Secretaria de Educação…

    Se for super dotado.. há casos e há expediente de aceleração de estudos .. mas precisa estar regularizado junto a Secretaria , ok?

    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  57. elisiane comenta,

    dezembro 11, 2015 @ 1:57

    Ola minha filha está no 3 ano do ensino fundamental em uma escola publica aqui em caxias do sul ,Rs ela vem com bastante dificuldade e com progressão ,ela pode ser reprovada?

  58. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 11, 2015 @ 21:41

    Elisiane, olha a Resolução CNE/CBE n.7/2010, artigo 30, diz que não é para reprovar no três primeiros anos do Ensino Fundamental , aqui em São Paulo esse é o entendimento do conselho estadual de educação , não sei como é no RS .. se ficar reprovada tente um recurso usando a lei federal n.8069/90, artigo 53, inciso III que diz que a criança tem direito a contestar critérios avaliativos em instâncias escolares superiores.

    abraços

  59. Fernanda comenta,

    dezembro 15, 2015 @ 4:44

    Boa noite
    Sonia,
    Somos do estado do rio de janeiro!
    Meu filho tem 5 anos e completa 6 anos em abril/2016. Ele esta no infantil III e a escola me fez assinar um termo que acha melhor ele refazer o infantil III e nao segui para o primeiro ano. Ele tem atraso na linguagem e faz tratamento com fono e a escola o acha imaturo para proceguir. Penso na frustacao dele vendo os amigos seguindo e ate pensei em troca lo de colegio.o que vc acha?

  60. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 15, 2015 @ 6:29

    Fernanda,

    Não. Não pode ter reprovação na Ed.Infantil

    Segundo a lei estadual n.5488/09 a data-corte é 31/12 então ele deve seguir para o 1o ano do ensino fundamental. Você entra com inclusão com ele para ele ter um atendimento específico,ok?

    Não aceite a reprovação. Se for escola particular mude de escola.

    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  61. SARH GOMES comenta,

    dezembro 17, 2015 @ 0:00

    Boa noite!

    O meu caso é um pouco diferente, aminha filha tem sindrome de down, e ela esta com 15 anos e iria para o 8.ano , em uma escola publica de SP, e até o momento não foi alfabetizada, ela conhece o alfabeto , consegue ajuntar algumas silabas , escreve o nome , mas vejo que desde o quarto ano ela adquiriu este conteudo , agora gostaria de transferi-la para uma outra escola , que por motivo de grande concorrência, e também pea questão de reprovação ser em anos alternativos a minha filha não conseguiria entrar no ciclo que tem vagas, como seria possível eu conseguir a reprovação dela, pois a escola que quero que ela vá tem recursos para atende-la apesar de ser algo novo e é a mesma que meu filho mais velho estuda. ( não coloquei ela antes nessa escola pois era periodo integral e ela frequenta a APAE em periodo contrário.

  62. Ana Lúcia vialaca comenta,

    dezembro 17, 2015 @ 20:44

    Boa noite,meu filho cursa o terceiro ano do fundamental e as somas das notas até até terceira etapA varia de 42 ha 46 ainda não somaram a 4 etapa creio eu que deveria ficar de recuperação mas a escola não informou existe retenção na 3 série do fundamental ?

  63. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 18, 2015 @ 0:20

    Sarh Gomes..

    Não é fácil… incrível.. pedir a reprovação de aluno de inclusão é bem difícil de conseguir,mas tente …

    1) Pedido de Reconsideração (no prazo da Deliberação CEE-SP 127/2014) endereçado para direção

    A sua reconsideração é o contrário de todos mas é o mesmo procedimento

    2) Se indeferido entrar com Recurso na DE

    Mas corra por conta do prazo, ok?
    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  64. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 18, 2015 @ 10:34

    Ana Lúcia Vialaca,,

    A Resolução CNE/CBE n.07/2010 diz que não.
    O Parecer CEE-SP n.285/2014 diz que não.

    Então, é usar esses atos normativos na defesa de seu filho, ok? Recurso …

    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  65. jorge comenta,

    janeiro 7, 2016 @ 4:29

    bom dia Sônia! Segunda feira dia 04/01/16 fui buscar a transferência do meu filho de 7 anos que estudou no 1 ano no ano de 2015 em um colégio que era considerado muito caro e bem popular, e esse ano esta bem mais caro ainda, e eu pedi a declaração de transferência dele para outro colégio mais barato, só ai eu fiquei sabendo que ele não foi promovido, ai eu falei com o diretor e eu não fui avisado sobre isso, pedi a ele uma prova de recuperação, ele marcou pra semana seguinte, somente leitura e escrita, meu filho já consegue ler e escrever varias palavras ele fez o 1 ano, e se reprovarem ele nessa prova! terá que repetir o ano de novo? essa lei 9.394 num proibe isso?

  66. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    janeiro 7, 2016 @ 5:57

    Olá Jorge,

    Não é a lei federal n.9394/96 que proibi a reprovação no 1o ano é um ato normativo do Conselho Estadual de Educação Resolução CEE n.07/2010, artigo 30.

    Não pode reprovar no 1o ano do Ensino Fundamental.

    Se você for do Estado de São Paulo há ainda o Parecer CEE n.285/2014 http://www.soniaranha.com.br/tag/parecer-cee-sp-2852014/

    ok? abraços

  67. Flavio Bondezzan comenta,

    janeiro 16, 2016 @ 0:45

    Boa noite,
    Tenho um filho de 8 anos, ele estuda em uma escola particular em são paulo, e esse ano de 2015 foi retido no 2 ano, a escola alega que ele nao esta alfabetizado e preparado para ir para o 3 ano, gostaria de saber se a escola esta correta e te lo retido!!!

    Muito obrigado e espero que me ajude.

    Abraços,
    Flavio

  68. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    janeiro 16, 2016 @ 2:45

    Flavio, quando soube que ele ficou reprovado?

    Recorra se ainda estiver no prazo, porque não se pode reprovar no 2o ano do Ensino Fundamental, Resolução CNE/CBE n.07/2010 e Parecer CEE-SP n.258/2014 são claros quanto a isso.

    Espero que ainda tenha tempo.

    Siga a Deliberação CEE-SP n.127/2014 e sua alteração n.128/2014
    http://www.soniaranha.com.br/deliberacoes-de-recurso-contra-reprovacao-escolar-no-estado-de-sao-paulo/

    Se tiver tempo ainda faça o Pedido de Reconsideração explicando para a Direção que ela não pode reprovar no 2o ano do ensino fundamental em função dos atos normativos citados acima

    Se mesmo assim ocorrer a reprovação interponha o Recurso junto a Diretoria de Ensino certamente a diretoria de ensino aprovará o seu filho, ok?

    Eu presto serviço de escrever a defesa do aluno, mas cobro honorários para isso, caso precise entre em contato: saranha@mpcnet.com.br

    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  69. Fabiana comenta,

    janeiro 27, 2016 @ 1:33

    Meu filho foi reprovado no primeiro ano. Começou com 6anoa e terminou com7. Eles podiam reprovado?? Escala particular RJ.

  70. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    janeiro 30, 2016 @ 4:42

    Fabiana, não .. não pode Resolução CEE n.07/2010 , artigo 30 diz para não reprovar o aluno no 1o ano do ensino fundamental.

    Faça um Pedido de Reconsideração para a escola se indeferido você pode tentar o Conselho Estadual de Educação ou a Justiça.

    Caso precise de uma consultoria a respeito entre em contato saranha@mpcnet.com.br

  71. Hosana comenta,

    março 16, 2016 @ 21:53

    Professora Sônia, meu filho vai completar 8 anos em julho de 2016 e está no 2º ano do ensino básico, como tenho tempo (estou desempregada há 2 anos) eu ensino ele em casa, ele sabe sabe fazer 3 operações básicas da matemática (adição, subtração e multiplicação) ensino sobre ciências( ele tem curiosidades sobre o corpo humano) geografia( sobre países, hemisférios etc) e trabalho a interpretação de texto.
    Percebi que ele está a frente de seus colegas de sala que ainda estão aprendendo o ba-be-bi, eu falei com a professora sobre a probabilidade de passa-lo para o 3º ano já que ele é um dos mais velhos da sala, e ela disse que ele está em um ciclo que não pode ser quebrado, que existe uma resolução que deve ser seguida.
    Eu queria saber se eu devo parar de correr atrás e deixar a educação do meu filho nas mãos da natureza para o fluxo cuidar ou seja seguir o fluxo?

  72. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    março 22, 2016 @ 6:12

    Hosana, avançar aluno é bem difícil, porque tudo está amarrado na data de nascimento.

    Pode pode.. mas o problema é que ele estará no 3o ano com 7 anos a completar 8 apenas em julho e dependendo da Secretaria de Educação não permite.

    Somente via judicial.

    Você poderá tentar um mandado de segurança pela Defensoria Pública.

    É bem trabalhoso o processo.. não deveria mas é..

    ok?

    abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  73. Gildair soares de Oliveira comenta,

    abril 18, 2016 @ 12:13

    Meu sobrinho foi retido no segundo ano e eu perguntei a diretora e mim disse que meu sobrinho não st Abto p cursar o terceiro ano e agora oq faço eu fiquei sabendo agora quando as aulas já tinha começado e o aluno st com oito anos. mim ajude a resolver essa situação. Bjs

  74. Ândrea Maria Marcelino Riccetto comenta,

    abril 19, 2016 @ 13:05

    Bom dia

    Estou no momento atuando como Coordenadora Municipal e venho encontrando problemas quanto aos registros. Os professores perguntam se não pode haver retenção, poderia registrar as notas vermelhas dos alunos durante os tres primeiros anos?

  75. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    abril 21, 2016 @ 1:32

    Ândrea,

    Primeiramente vamos tirar da nossa conversa o termo “notas vermelhas”.
    Não existe na legislação de ensino esta expressão nota vermelha, pois é um termo de senso comum.. não há respaldo legal.

    O que existe são objetivos que foram propostos, mas que não foram atingidos.

    Elimine do vocabulário do corpo docente esse tal de nota vermelha,ok? O uso do conceito correto é fundamental para avançar no conhecimento pedagógico.

    Segundo… eu acho que nesses três primeiros anos o Regimento Escolar deveria ser alterado.

    Se não há reprovação poderia não ter nota, por exemplo, e um registro descritivo das dificuldades do aluno, os objetivos que não atingiu e os motivos pelos quais não conseguiu atingi-los, o que foi proposto para ajudá-lo, quais estratégias pedagógicas adotadas e recomendações para avanços (relatórios bimestrais e um final)

    Retirando a média e a escala de notas desses primeiros anos em função de não haver reprovação se instauraria um procedimento de registro descritivo.

    Mas para fazer isso seria preciso alterar o Regimento Escolar o que não é difícil, suponho.

    Há várias escolas que não usam sistema de nota em escala de 1 a 10 e com média.. há conceitos, por exemplo, que expressam objetivos.

    De modo que a questão envolve a concepção de avaliação que a Secretaria do Município pretende assumir e alteração do Regimento em função disso.

    ok? abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  76. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    abril 21, 2016 @ 1:40

    Gildair, perguntas:

    1) Quando soube da reprovação?
    2) Onde você mora?
    3) Escola pública municipal, estadual ou particular?

    Porque agora já estamos finalizando Abril e será difícil você recorrer… ]
    Aguardo

  77. Liliane comenta,

    abril 26, 2016 @ 17:04

    Olá , boa tarde! Gostaria de saber se um aluno que não concluiu o 1° ano em 2015 Pode ser matriculado no 2° ano em 2016? Vale salientar que o mesmo frequentou quase todo ano letivo em 2015 e evadiu-se no finalzinho do ano, pois mudou-se de cidade e neste ano encontra-se faltando alguns dias para completar 8 anos de idade. Desde já agradeço a atenção. Obrigada!

  78. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    abril 27, 2016 @ 0:32

    Liliane,

    Hummm… não.. não pode.

    Para matriculá-lo no 1o ano a escola anterior deverá fornecer o histórico escolar. Se ele foi aprovado ok.pode efetivar a matrícula no 2o ano, pois deve ter nota já que ele frequentou praticamente o ano todo.

    Se ele foi reprovado não há como .

    O ingresso no Ensino Fundamental se faz pelo 1o ano, mesmo que ele tivesse 9 anos.

    A escola anterior deve encaminhar o histórico dele , com as notas e frequência. A escola atual faz a matrícula no 1o ano se ele foi reprovado e no 2o ano se ele foi aprovado.

    Não dá para apagar a vida escolar dele do ano letivo de 2015, ok?

    Abraços


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  79. Jennifer Chaves / Regina Chaves comenta,

    maio 25, 2016 @ 19:48

    Desculpas, eu não consegui visualizar.

    Olá boa tarde!
    Doutora Sônia tenho atentamente observado as leis da educação de nosso País. Como educadora estou vice-diretora de uma unidade escolar na Bahia a qual atende alunos da creche ao 9º ano do Ensino Fundamental. Tenho formação superior em Psicologia e Psicopedagogia Institucional e Clinica há algumas coisas que me preocupam dentro da educação especialmente a responsabilidade em zelar pela “vida” da criança/aprendiz. O caso a que recorro a tua orientação ao meu entender é preocupante até o momento eu não consegui entender as entrelinhas… Bem, no ano de 2015 (segunda quinzena do mês de novembro) uma mãe de aluno vai a escola conversa com o diretor e conduz o seu filho que está cursando o 1º ano do Ensino Fundamental (nascimento 15/08/2008) para o 2º ano, e lá permanece até o final do ano letivo. Neste ano 2016, a mãe trás o filho no segundo dia de aula e sem mesmo que formalize a matricula o aluno está cursando no 3º ano. Com a Provinha Brasil o aplicador ao não encontrar a criança no 2º ano busca-a, do 3º ano e, a avaliação é realizada na secretaria da escola. Levei o caso ao Ministério Público e ao informar ao diretor do relatório apresentado ele foi receptivo demonstrou preocupado, até porque ele já sabia da ilegalidade do contexto assim, ele pediu para eu ir embora (para casa) convidando a mãe/responsáveis para ir a escola conversar, atualizar a documentação da criança e assinar um documento que havia sido produzido pela escola para este caso. Os pais do aluno parecem-me, serem pessoas idôneas: a mãe está representante do Legislativo Municipal e o pai assume alto cargo na Educação. O documento havia sido preparado diante apelo da mãe para que seu filho cursasse o 3º ano. Ainda não sei se este documento (Termo de responsabilidade: promoção de aluno em idade certa) foi assinado pelos responsáveis, se responsabilizando face às implicações que poderão ocorrer ao acelerar os estudos da criança e, assumindo responsabilidade pedagógica perante o aluno e a Lei. Está convocação aconteceu dia 20/05. No art. 06 da Lei nº 11.114/05 que altera a LDB nº 9.394/96 tornam-se obrigatório a matricula da criança a partir dos seis anos de idade no Ensino Fundamental I em acordo a LEB nº 11.274/06 estabeleceu o ano de 2010 para as escolas adequarem ao sistema com tolerância a 2012. Consoante, a Portaria do município nº 074/2015. Lembrando que o aluno ingressou na escola no ano de 2012 na creche; passando pelo Pré-Escolar I e II; em acordo 2015, o 1º ano do Ensino Fundamental (1º e 2º ano). Entre as Leis da Educação do País o CNE/CEB define as diretrizes nacionais para o Ensino Fundamental de nove anos o que significa: “a ampliação do tempo dessa etapa de ensino na perspectiva de qualificar o ensino-aprendizagem e não a antecipação da sua conclusão”. Em combinação, o Pacto Nacional pela Educação na Idade Certa apoiado na resolução do CNE/CBE nº 7/2010 no § 1º do art. 30, recomenda explicitando os fundamentos do porquê de: “a necessidade de considerar os três primeiros anos do Ensino Fundamental como um bloco pedagógico ou, um ciclo sequêncial não possível a interrupção, voltado para ampliar a todos os alunos as oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizes básicas, imprescindíveis para o prosseguimento dos estudos.” Doutora Sônia, não estou falando exatamente da idade cronológica deste aluno, mas especialmente a base, a quebra do bloco pedagógico – das etapas de desenvolvimento da criança defendido por tantos estudiosos. Nesta mesma turma existem três alunos que completaram ano depois do corte (dois do mês 04 e um do mês 06), estes alunos ingressaram mais cedo na escola estando fechando o ciclo sem quebra. Referente ao caso: não há diagnostico nem mesmo indicio de superdotação as atividades não são diferenciadas (PACTO/BA) – o aluno possui um bom desempenho. Acredito que ele esteja sendo penalizado… Regressar o aprendiz ou afirmá-lo na série em que se encontra não aplacara os prejuízos, a que a criança, foi exposta. Dei-me um norte, por favor?

  80. Sandra comenta,

    julho 18, 2016 @ 1:58

    Olá Doutora Sonia,

    tenho uma situação delicada, meu filho esta no 1º ano, tem notas boas nas outras matérias mas está com dificuldades na leitura. Toda vez que tem uma sílaba que ele não lembra ele trava, parece que tem medo de errar. Na escola dele ele tem que interpretar textos, fazer ditado, separar sílabas, feminino, masculino e diminitivo. Tudo isso ele tem q fazer sozinho, sem ajuda da professora. Tirou uma nota vermelha neste período. Fui chamada a escola e me disseram que o 1º ano reprova. Comentei que entendo que isso não poderia ocorrer devido a continuidade até o 3º ano. Elas disseram que aqui nessa escola reprova. Vejo que no geral as escolas fazem o que querem. Pode tamanha audácia? Quando elas são punidas? Muitos pais estão passando por isso por que não tem o conhecimento. O que podemos fazer nesse momento?

  81. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    julho 23, 2016 @ 19:07

    Sandra, se o seu Estado for o de São Paulo, não tem reprovação no 1o ano do ensino fundamental seja escola pública ou privada.

    Se for de outro Estado também poderá recorrer baseando-se na Resolução CNE/CBE n.07/2010, artigo 30 que diz que não deve haver reprovação no 1o ano.

    Recomendo que faça um documento para a direção da escola alertando a respeito e que você não aceitará reprovação no 1o ano.

    Eu presto serviço de escrever o documento de defesa do aluno, mas cobro honorários para isso. Caso tenha interesse entre em contato, ok? saranha@mpcnet.com.br

    abraços

  82. Loreni Vezaro comenta,

    agosto 4, 2016 @ 17:11

    Olá, prof Sonia, não podemos reter um aluno nos 3 primeiros anos do ensino fundamental, mas em caso de excesso de faltas, não atingindo os 25% de frequência, ai sim podemos reprová-lo???? e no fim de ano esses alunos deverão fazer os exames finais?????Ou não???? Atenciosamente Prof Loreni. Obrigado

  83. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    agosto 4, 2016 @ 19:11

    Hummm…

    1) Vocês avisaram o Conselho Tutelar como determina a lei?
    2) Entraram em contato com a família para saber o motivo pelo qual o aluno faltou mais do que os 25%
    3) Ele está frequentado a escola neste momento?
    4) Não há previsão no Regimento Escolar do expediente compensação de ausência?

    Dependendo das respostas pode mas é uma pena reprovar aluno por falta no 3o ano do ensino fundamental.

    Eu acho que se o aluno já reprovou por falta não tem sentido e lógica ele fazer exame final, qual seria o objetivo do exame se ele já está reprovado por frequência?

    Mas eu recomendo sempre que pergunte ao supervisor da escola por escrito e peça a resposta por escrito porque se houver algum problema no procedimento a responsabilidade é do supervisor ,ok?

    Abraços!!

  84. Fabyola comenta,

    outubro 19, 2016 @ 11:13

    Profa Sônia, bom dia! Minha filha fez 6 anos em junho e está no 1º ano, está conseguindo acompanhar a turma( no ritmo dela), mas é muito imatura p a classe, o que sempre causou muito desconforto nela, mesmo mudando de escola a dois anos atrás. Levei no psicólogo este ano que sugeriu retê-la no 1 ano. Pensei na possibilidade e achei viável, mas gostaria de saber sobre a retenção na mesma escola, o que geralmente isto pode provocar? Já que tenho um filho de 7 na mesma escola e já mudou uma vez por causa da irmã, não quero prejudicá-lo e preciso, no momento, dos dois na mesma escola. Obrigada pela atenção! Fabyola

  85. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    outubro 20, 2016 @ 2:50

    Fabyola, reprovação no 1o ano do ensino fundamental você não vai conseguir porque há um impedimento legal Resolução CNE/CBE n.07/2010 artigo 30 e se você for do Estado de São Paulo há ainda um Parecer.

    Agora, no Estado de São Paulo há uma exceção e você terá que recorrer ao Conselho Estadual de Educação ou via Justiça se houver um laudo contundente que ateste a incapacidade de sua filha de seguir adiante.

    Então, a primeira questão é a impossibilidade da reprovação no 1o ano em função da legislação.

    Se você conseguir a reprovação no 1o ano via Justiça ou CEE o ideal é que os irmãos não estudem na mesma classe. Se a escola não tiver duas salas de aula de 1o ano é uma situação mais delicada e você terá que conversar bem com a escola para saber lidar com isso.

    Em geral irmãos juntos um quer defender o outro, ou um é melhor do que o outro, há muita comparação entre eles e isso não é bom porque precisam de ter autonomia e construir seus próprios espaços vivencionais, ok?

    É isso! Abraços

  86. Fabyola comenta,

    outubro 20, 2016 @ 16:22

    Profa. Sônia, obrigada pela atenção e pela resposta acima.
    Moro em Minas Gerais e aqui o primeiro ano é para quem faz 6 anos, até junho.
    Já consegui com a escola a permissão para retê-la, mas gostaria de saber o que geralmente pode impactar na criança que repete dentro da mesma escola, com a mesma professora (vendo os amigos mudando de classe e ela não). Quanto ao irmão ele está no segundo e não será da turma dela, só da mesma escola.
    Obrigada novamente
    Abraços
    Fabyola

  87. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    outubro 20, 2016 @ 19:29

    Fabyola, reprovar nunca é fácil para ninguém .. pense em você fazendo faculdade e reprovando ? Não é constrangedor encarar os amigos no retorno as aulas e dizer que fará novamente o mesmo ano? O mesmo acontece com as crianças. É difícil , é muito difícil para qualquer pessoa seja ela criança, adolescente ou adulto.

    Por isso a legislação não favorece a reprovação e sim a aprovação.

    Mas se a escola, apesar da legislação, vai reprová-la e há um laudo atestando que o melhor é a reprovação, você deverá conversar com ela e ajudá-la a superar este momento. Além de orientá-la a respeito de que às vezes o melhor e refazer, orientar o irmão também para que ele entenda que este é um procedimento previsto, o que não significa que a irmã é incapaz ou burra conceitos muito disseminados em nossa sociedade que é feita para pessoas padrão do que é esperado.

    ok?

    abraços

  88. Rodrigo comenta,

    novembro 2, 2016 @ 13:36

    Professora Sônia,

    Meu filho tem síndrome de down e completou 6 anos, atualmente cursa o jardim sendo que no próximo ano deveria ir para a 1° série, consequentemente entrando nesse ciclo de não reprovação(morando em são paulo capital).

    Acontece que ele tem um atraso muito grande na fala, sendo sua comunicação na maioria das vezes por gestos ou sons, em conversa com a coordenadora sobre ele permanecer no jardim por mais um ano, ela me informou que não seria possível, pois ele teria que continuar com outras crianças de mesma idade, mesmo tendo a opinião que o melhor para ele seria continua no jardim, porém, iria ver com o Cefai essa possibilidade.

    Ontem ela me retornou dizendo que o Cefai não permite e marcou um horário para conversamos com eles, mas já sabendo que não existe a possibilidade de continuar no jardim.

    O que você acha que poderei estar fazendo se o Cefai não mudar de opinião? Quais os passos que devo seguir?

    Obrigado,

  89. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 3, 2016 @ 4:33

    Rodrigo, bem, eles não aceitarão porque não se pode recuar o aluno, mas você pode argumentar que há um ato normativo do Conselho Estadual de Educação que permitiu , em caráter excepcional, que um aluno ficasse retido.

    PARECER CEE Nº 275/2016 Aprovado em 14/9/2016 – permitiram que os alunos trigêmeos fossem retidos no 1o ano do ensino fundamental.

    Você poderia usar como argumento este Parecer.

    No geral o que se solicita é seguir com apoio.

    Para o seu filho ter um bom desempenho dentro de seus limitações é preciso que o CEFAI designe um professor de apoio para ele e fazer também um PAEE – Plano de Atendimento Educacional Especial, com o currículo flexibilizado como determina a lei federal n.13.146/2015, artigo 28.

    O cérebro é plástico e os desafios o fazem com que ele se modifique , se adapte e avance.

    Esta é a razão de nós pedagogos sermos favoráveis a não retenção,mas desde de que o artigo 28 da lei de inclusão seja seguida de forma correta.

    Eu mesma tive alunos com lesão cerebral que não reprovamos e seguiram mesmo com um programa específico para eles e atendendo a sua especificidade e houve um avanço muito significativo.

    Mas, você tem direito de recorrer a esta decisão tanto seguindo para o CEE como poderá pedir a intervenção do Ministério Público do Estado, mas precisa ter laudo médico atestando que o melhor para o seu filho é permanecer na Ed.Infantil ok?

    Caso precise presto serviço de elaborar a defesa do aluno, mas cobro honorários. Entre em contato: saranha@mpcnet.com.br

    abraços

  90. Míriam comenta,

    dezembro 2, 2016 @ 16:55

    Professora Sonia, minha sobrinha estudou o 1o semestre em escola municipal no 1o ano que adota conceitos como avaliação , e o 2o semestre em escola particular que adota notas numéricas. No entanto, ao levar o histórico da aluna, a escola atual não quer aceitar, quer reter a mesma no 1o ano. Isso é possível? O que fazer?

  91. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 3, 2016 @ 2:47

    Miriam, isso é um absurdo…. basta a secretaria da escola transformar os conceitos em notas.

    1o ano do ensino fundamental também não reprova.

    Bem, você terá que recorrer escrevendo um documento para a direção, sendo indeferido , escreva outro para a Secretaria de Educação.

    Não sei onde mora.. se for no Estado de São Paulo é mais simples .. outros Estados exceto Santa Catarina são mais difíceis mas mesmo assim você tem direito de recorrer.

    Eu presto serviço de elaborar a defesa do aluno, mas cobro honorários. Se precisar entre em contato: saranha@mcpnet.com.br

  92. Vanessa Peixoto Aranha comenta,

    dezembro 15, 2016 @ 21:24

    Minha filha tem 7 anos e apresenta bons resultados em todas as disciplinas exceto língua portuguesa, pois possui uma imensa dificuldade com a leitura . Reconheço que ela teve um desenvolvimento menor que os dos outros alunos porém procurei ajuda com o neurologista ,fonoaudióloga e psicóloga para Que ela pudesse Superar esta dificuldade , embora no terceiro e quarto bimestre ela tem apresentado grande evolução , de acordo com escola não foi o suficiente para que ela pudesse passar para o segundo ano tendo sido a mesma reprovada Moro na cidade de Nova Iguaçu , Estado do Rio de Janeiro e gostaria de saber se posso recorrer dessa decisão da escola?

  93. Vanessa Peixoto Aranha comenta,

    dezembro 15, 2016 @ 22:42

    Esqueci de mencionar no comentário anterior que ela estuda em uma escola particular
    Minha dúvidas e se as escolas particulares seguem essas leis ja me mencionadas em outros comentários ou possuem suas próprias regras e critérios para aprovação e reprovação

  94. Vanessa comenta,

    dezembro 16, 2016 @ 1:22

    Professora Sonia meu filho estuda no quarto ano do ensino fundamental de uma escola privada a escola quer reter ele pelo fato dele não estar conseguindo se adequar ao método de avaliação da escola, a mesma admitiu que ele não tem nem um tipo de atraso ou dificuldade de aprendizado pois em provas oral ele sempre se destaca tirando excelente notas em contrapartida na escrita é que os problemas aparecem, ele não consegue passar para o papel suas idéias, não sei se por preguiça se por comportamento estamos entrando com terapia para tentar identificar a causa! Minha pergunta é devo aceitar que a escola o retenha mesmo sabendo que o problema não é aprendizado? Outra questão o método de avaliação da escola é trimestral ou seja só tem e notas e a escola não dá a oportunidade de realizar prova de recuperação ou exame! Estou muito aflita não sei o que fazer pois quando eu era adolescente fiquei retida no sétimo ano em uma Matéria por apenas 1 ponto e isso me deixou um grande trauma será que o mesmo pode acontecer com ele ? A escola tentou me convencer de que seria a melhor escolha mas não me convenci disso, perante a lei ele não teria que ter a oportunidade de tentar recuperar essas nota antes da reprovação? Obrigada

  95. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 17, 2016 @ 6:25

    Vanessa, pode sim , mas o problema que aí não há ato normativo para disciplinar o processo de recurso.

    Recomendo:

    1) Entrar com Pedido de Reconsideração na escola.

    2) Se o seu Pedido for indeferido, você entra no MP do Estado do Rio dizendo porque no Estado do Rio de Janeiro não há como recorrer a instâncias escolares superiores porque não tem ato normativo que discipline o processo de contestação do resultado final de avaliação ferindo assim a lei federal n.8069/90, artigo 53,incisoIII.

    3) Não há reprovação no 1o ano Resolução CNE/CBE n.07/2010, artigo 30 ..

    ok?

  96. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 22, 2016 @ 1:56

    Vanessa a escola privada segue as mesmas normas que as escolas públicas ,mas possuem autonomia para adotar o seu sistema de avaliação, os critérios podem variar também de escola para escola, ok?

  97. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    dezembro 23, 2016 @ 4:35

    Vanessa, você pode tentar um Pedido de Reconsideração mas depende do Estado que mora. Onde você mora?

    É direito do aluno contestar os critérios avaliativos e tentar , mas se ele tem uma dificuldade não diagnosticada ainda será difícil você reverter a reprovação. Se já tivesse um laudo e se ele não for assistido daí é mais fácil de reverter.

    Reverter uma reprovação não é fácil. É direito de recorrer, mas não se sabe se o feito será bem sucedido.

    Depende da escola. A escola é autônoma para optar pelo seu sistema de avaliação. Não há um padrão. Cada escola escolhe qual sistema adotar e este sistema consta do Regimento Escolar. Então depende do Regimento.

    Mas sim, a atos normativos que dizem que a recuperação deve ser feita e em geral as escolas colocam isso no Regimento mas nem todas cumprem.

    A lei federal n.9394/96 não fala de reprovação, fala apenas de promoção, de avanço, de recuperação. Ela diz que é para a escola fazer tudo para o aluno avançar , o problema é que as escolas não cumprem isso e o Poder Público que deveria fiscalizar nada faz.

    Tente recorrer da decisão ok?

    abraços

  98. Rosembergue Mota comenta,

    janeiro 18, 2017 @ 11:42

    Como a escola deverá proceder para a matrícula do aluno que abandonou a escola em um dos dois primeiros anos do Ensino Fundamental?

    Por exemplo: O aluno estava matriculado no 2º Ano do Ensino Fundamental, com a idade correta, no entanto, abandonou a escola no meio do ano. Este aluno deverá ser matriculado na mesma série no ano seguinte ou avançar, matriculando-se no 3º Ano?

  99. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    janeiro 18, 2017 @ 12:07

    Rosembergue….

    1) Depende: ele passou do limite permitido de 25% de ausência? As avaliações do 1o semestre atingiram os objetivos do ano letivo? Se a resposta for negativa para ambas perguntas daí matricula o aluno no 2o ano.

    2) Após 30 dias e se for o caso aplica avaliação e atingindo os objetivos reclassifica o aluno para o 3o ano.

    ok?

    abraços

  100. eliane leal comenta,

    fevereiro 17, 2017 @ 0:58

    Ola dra sonia
    meu filho ficou retido no terceiro ano fundamental. Ele chega todos os dias aborrecido e angustiado pois seus amiguinhos estao no quarto ano. Quando encerou o ano ele confundia algumas letras, mas durante as ferias ele fez reforçoe agora ja esta lendo muito bem e entendendo o conteudo de matematica do quarto ano muito bem. Eu poderia pedir uma reclasificaçao para o quarto ano ate o primeiri trimestre?

  101. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    fevereiro 17, 2017 @ 1:09

    Eliane Leal, pode. Onde você mora?
    Aguardo

  102. Gleydes comenta,

    março 13, 2017 @ 18:48

    Olá
    Parabéns pelo blog!
    O aluno não pode ser retido no 1º, 2º e 3º ano do ensino fundamental. Mas tenho uma dúvida:
    Um aluno do 2º ano não será retido, mas o boletim dele pode ir com notas abaixo da média da escola?

  103. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    março 16, 2017 @ 22:54

    Gleydes

    Resposta a pergunta: Sim.

    O Regimento Escolar deve prever que os alunos não poderão ser reprovados e que as avaliações são distintas ou que as notas destes três anos não implicam em reprovação, são apenas orientação para revisão do trabalho pedagógico, por exemplo.

    É preciso fazer um trabalho diferenciado nos três primeiros anos do Ensino Fundamental é disso que a Resolução CNE/CBE n.07/2010 está a dizer em seu artigo 30.

    abraços

  104. Marcos comenta,

    abril 3, 2017 @ 17:23

    Boa tarde,
    estamos por motivo de trabalho em Manaus-AM desde o final de 2015. Viemos de Curitiba, onde minha filha que nasceu em 26/06/10 NA ÉPOCA COM 5 PARA 6 ANOS iria ser matriculada compulsoriamente no 1 ano do ensino fundamental.
    Chegando no Amazonas as escolas (publicas) informaram que ela não poderia ser matriculada no 1 ano e teria de ser matriculada novamente no pré. Então ela novamente foi matriculada no pré. Estávamos esperando uma vaga em um colégio perto de casa que possui o ensino fundamental somente à partir da segunda série. No meio do ano passado fui na secretaria desta escola e fui informado que minha filha poderia cursar o 2 ano sem problemas . Na data da matricula, este ano de 2017 efetuei a matricula de minha filha na escola e a secrtetaria me informou que haveria uma análise de 1 mês se ela estaria realmente ápta à seguir. Minha filha jé é muito bem alfabetizada sabe ler e escrever m,uito bem, inclusive com letra de forma e está bem desenvolvida em matemática., já entendendo fundamentos como tabuada multiplicativas de 2 e 3 e outras tabuadas. Ocorre que 2 meses após o início das aulas recebi uma ligação do diretor (HOJE) pedindo que eu compareça à escola que minha filha terá de sair da escola e procurar vaga em outra devido (alegação) que não possui condições e pela idade.
    Ooccre ainda que a criança esta super adaptada com muitos amigos que até frequentam nossa casa e que estão claramente em nível menor que o dela. além de ela é mais velha que outras duas crianças da turma.
    Gostaria de saber se a escola possui amparo para retirar minha filha a escola e o que eu poderia fazer para reverter este quadro, pois claramente é injustificável e sem sem razão pois, como disse ela é alfabetizada.

  105. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    abril 4, 2017 @ 0:07

    Marcos, o que é isso!! Claro que a escola , no meu entendimento, não possui base legal para fazer isso.

    Art 206 da Constituição Federal:

    I – igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

    Bem, o que deve ter ocorrido:

    No Amazonas a data-corte , salvo engano, é 31/03 , como a sua filha nasceu em junho ela está barrada pela data-corte. De modo que a escola em 2016 fez correto.

    A escola atual é que está errada porque não se pode 1) ingressar no ensino fundamental pelo 2o ano; 2) fora da data-corte.

    Agora a escola quer corrigir o erro que é dela prejudicando a sua filha!

    O que fazer:

    1) Se tiver condições financeiras recomendo impetrar mandado de segurança para que o juiz concede liminar para que a sua filha permaneça onde está.

    2) Se não tiver condições financeiras outro caminho seria tentar o Ministério Público do seu Estado (você pode fazer pelo site ) e ao mesmo tempo buscar a Secretaria de Educação para denunciar a escola e solicitar providências.

    O remédio jurídico seria o melhor porque é mais rápido, os outros o problema sempre é o tempo da demora.

    Caso precise de indicação de advogado especialista em direito educacional, posso lhe indicar de São Paulo mas que atua em todo o país. Entre em contato: saranha@mpcent.com.br

    E pode acionar a escola por danos.

  106. Aline comenta,

    junho 5, 2017 @ 19:54

    Boa tarde Sônia,

    no caso dos responsáveis quererem que o aluno fique retido no 1º ano, existe alguma resolução ou amparo legal para que a escola o retenha? Sou do RJ. Obrigada.

  107. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    junho 5, 2017 @ 20:01

    Aline, não. Exceto se for um caso extremo de criança com deficiência poderá tentar na Justiça.

    Fora isso no meu entendimento não. Aqui em São Paulo se a escola reprovar o aluno no 1o ano entramos com recurso e o aluno é aprovado pela Diretoria de Ensino (Secretaria de Educação).

    Na Bahia ganhei um caso junto ao Conselho Estadual de Educação para um aluno reprovado no 2o ano do Ensino fundamental porque a Resolução CNE/CBE n.07/2010 artigo 30 e 32 impedem a reprovação nos três primeiros anos do Ensino Fundamental.

    ok?

    abraços

  108. Aline comenta,

    junho 5, 2017 @ 20:02

    Então mesmo os pais solicitando a retenção pela criança não ter adquirido o necessário, a escola não poderá reter?
    Obrigada pelo rápido retorno!

  109. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    junho 5, 2017 @ 20:39

    Aline, a escola segue normas ou leis e há um ato normativo, que já mencionei que impede.
    Os pais não detém o poder de modificar legislações de ensino, exceto na Justiça.

    Mas recomendo que verifique na Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro o que eles dizem a este respeito. Aqui em São Paulo e na Bahia não pode, talvez no Rio o entendimento seja diferente.

    ok?

  110. Daniela comenta,

    agosto 8, 2017 @ 17:21

    Boa tarde,

    Minha filha cursa o 1 ano em uma escola particular do Estado de São Paulo, porém ano que vem ela irá para o 2 ano, como abriu uma escola bilíngue em minha cidade e ano que vem só terá o 1 ano, e abrirá uma série por ano, ela estará sempre um ano a frente. Eu gostaria que ela refizesse o 1 ano novamente ano que vem porém na metodologia bilíngue que é diferente, me informei e disseram que isso não é possível, que ela só poderia ser matriculada novamente no 1 ano se fosse reprovada por falta.
    Essa informação é real?
    Obrigada.

  111. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    agosto 9, 2017 @ 16:42

    Daniela, sim, a informação procede.

    Se ela for aprovada não há como solicitar a reprovação dela.

    ok?

    abraços

  112. Elisabete Lucimara Gomes comenta,

    novembro 1, 2017 @ 11:31

    Bom dia!
    Meu filho tem um atraso de linguagem bem significativo.
    Ele está no 2º ano Fund I e iniciou o primeiro ano qdo iria completar 6 anos, ele tem data de aniversário em maio.
    Fez escola publica desde os 3 anos, infantil II, III e IV, por conta da data de corte entre escola pública e particular pulou o infantil V e foi para o 1º ano na particular. Minha pergunta é a seguinte:
    Ele tem uma dificuldade imensa em Português, escrita e interpretação, a leitura ele tem desenvolvido esse ano sem o menor entusiasmo, e eu atribuo a dois fatores o DEL e a maturidade dele. Isso vem deixando ele muito irritado e sem estímulo para ir a escola porque sempre falta algo para ele atingir. E em consequência disso sinto que ele não está preparado para o 3º ano dentro do plano pedagógico do colégio. Eu posso reprová-lo e colocá-lo em outro colégio com outra proposta pedagógica e ter o ganho na maturidade que ele precisa para ter o desempenho melhor na escola?

    Obs: Qdo matriculei ele na escola pedi para que ele ficasse no infantil V porém a escola disse que não podia, ele tem acompanhamento de fonoaudióloga específica em linguagem com pós em pedagogia.

  113. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 1, 2017 @ 12:19

    Elisabete , somente na Justiça que talvez você consiga.

    Vou lhe enviar por e-mail.

    Abraços

  114. Hugo Lima comenta,

    novembro 28, 2017 @ 16:11

    Ola boa tarde sonia , a escola da minha filha me passou a informação hoje de que minha filha esta reprovada no 1° ano do ensino fundamental , sou do rio de janeiro ela estuda em uma escola privada , eles podem realmente fazer isso ? porque acho que isso vai prejudicar muito ela porque ela esta com a msma turminha des do maternal ??!!

  115. Profa. Sônia R.Aranha comenta,

    novembro 28, 2017 @ 16:34

    Olá Hugo,

    Escola pública ou particular?

    Não há reprovação no 1o ano do ensino fundamental este é o entendimento da Resolução CNE/CBE n.07/2010, artigo 30.

    O problema que aí no Rio de Janeiro não é fácil fazer valer a legislação , tem que brigar…

    Tentar junto a escola com um Pedido de Reconsideração da decisão.

    Depois tentar junto ao Conselho Estadual de Educação (demora para ter a resposta)

    Pode tentar também via Ministério Público

    Ou se você tem condições financeiras impetrar mandado de segurança logo após o indeferimento da escola.

    Eu presto serviço de elaborar a defesa do aluno, mas cobro honorário, parte administrativa.

    E posso lhe indicar advogada no Rio para impetrar o mandado de segurança.

    Aqui no Estado de São Paulo já é ponto pacífico .. não há reprovação nos anos 1o, 2o e 3o anos do ensino fundamental em função deste ato normativo

    Consegui também o mesmo na Bahia , reverter uma reprovação do 2o ano e o Conselho de Educação de lá foi muito bacana.

    Escrevi a respeito http://www.soniaranha.com.br/conselho-estadual-de-educacao-da-bahia-aprova-aluno-do-2o-ano-do-ensino-fundamental/

    De modo que você deve tentar reverter esta reprovação que é ilegal.

    ok?

    Precisando, entre em contato.

Por favor, Deixe um comentário aqui !